Conferência Episcopal de Angola e São Tomé

Pastoral Vocacional e Beleza do Sacerdócio

Amados diocesanos,
Caríssimos sacerdotes, nossos colaboradores e irmãos no ministério,
Homens e mulheres de boa vontade

Reunidos em Luanda para a primeira Assembleia do ano, julgamos oportuno reflectir, como Pastores que somos da Igreja de Deus peregrina em Angola e São Tomé e Príncipe, sobre o ano Sacerdotal, agora já na sua recta final. Queremos partilhar convosco a importância deste ano na vida de todos os fiéis em geral e dos presbíteros em particular, como uma oportunidade para os próprios padres e todos os cristãos para uma reflexão contemplativa sobre a nobreza e a beleza do sacerdócio ministerial, o seu valor insubstituível, o dever de todos os fiéis de colaborar com os seus sacerdotes, através da oração, da estima e consideração e da ajuda espiritual e material, e também a necessidade de uma pastoral vocacional renovada e testemunhante.


1. Em memória de S. João Maria Vianney

O Santo Padre, preocupado com a santidade dos ministros de Deus e, consequentemente, de todos os fiéis, quis convidar toda a comunidade cristã católica a celebrar os 150 anos da morte do Santo Cura de Ars, Patrono de todos os párocos do mundo, reflectindo sobre o mistério e ministério sacerdotal. O ano pretende “contribuir para fomentar o empenho de renovação interior de todos os sacerdotes suscitando um testemunho evangélico mais vigoroso e incisivo”[1]. Se em 1995, o Papa João Paulo II estabeleceu uma Jornada para a santificação dos sacerdotes, fazendo-a coincidir todos os anos, com a solenidade do Sagrado Coração de Jesus, o nosso actual Papa, Bento XVI, por ocasião da mesma solenidade, abriu este ano de oração pela santificação e alegria ministerial dos sacerdotes. É um ano de graça para os sacerdotes e para toda a Igreja.